Skip to content

igreja nas casas

A BASE BÍBLICA PARA A IGREJA NAS CASAS

 

At. 2.46; 5.42; Rm. 16.10,14 e 15; I Co. 16.15 e 19; Cl. 4.15.

 

 

 

                   O Espírito Santo conduziu a igreja a concentrar seu trabalho nas casas. Não há construção de templos no novo testamento.

                   Os cristãos judeus usavam o templo em Jerusalém, mas é importante lembrar que:

 

a)   O templo judaico não era feito para reuniões da igreja, mas para o ritual do sacrifício judaico;

b)   Os cristãos judeus se reuniram ali, por causa de seu costume;

c)   Eles não se reuniam dentro do templo, mas no átrio exterior, no Pórtico de Salomão (At 5.12).

O PÓRTICO DE SALOMÃO

Era um lugar público onde cabia apenas uma pequena parte da igreja.

Ali havia muitos incrédulos, muita gente entrava e saía à vontade.

NÃO ERA UM LUGAR QUE PERTENCIA À IGREJA.

No Pórtico de Salomão, os escribas e fariseus mantinham suas escolas e seus debates (ver Mc 11.27; Lc 2.46; 19.47; Jo 10.23-24).

Foi ali que os comerciantes e cambistas instalaram as suas mesas (Jo 2.14-16).

 

A declaração de Jesus: – “não façam da CASA DE MEU PAI” foi feita num contexto anterior a saída da presença de Deus daquele lugar, pois Jesus não havia morrido, o véu do templo não havia sido rasgado e o Espírito Santo não tinha sido derramado. Ainda era um contexto judaico-religioso.

 

                   Apesar da afirmação e indagação de Deus aos homens, através do profeta Isaías:

 

“O CÉU É O MEU TRONO, E A TERRA, O ESTRADO DOS MEUS PÉS; QUE CASA ME EDIFICAREIS VÓS?” (Is. 66.1).

 

                   Somente homens que receberam a Jesus como senhor e salvador, cheios do Espírito Santo é que entenderam:

 

“NÃO HABITA O ALTÍSSIMO EM CASAS FEITAS POR MÃOS HUMANAS” (Estevão – Atos 7.48)

“DEUS… NÃO HABITA EM SANTUÁRIOS FEITOS POR MÃOS HUMANAS” (Paulo – Atos 17.24)

                   Quando a igreja sai de Jerusalém e vai para o mundo todo, JAMAIS SE OUVE FALAR DA CONSTRUÇÃO OU USO DE TEMPLOS. A igreja, no mundo gentio, se reunia nas casas.

 

 

TEMPLOS RELIGIOSOS*

CASAS DOS IRMÃOS

FRIOS

CALOR HUMANO

IMPESSOAIS

RECEPTIVAS

ASPECTO RELIGIOSO

DEMONSTRAM VIDA

CUSTAM DINHEIRO

JÁ ESTÃO PRONTAS

SEPARAÇÃO ENTRE VIDA NATURAL (DIA A DIA) E VIDA CRISTÃ

O SEU USO INTRODUZ A OBRA DE DEUS NO CONTEXTO DA VIDA NATURAL DO DISCÍPULO

MASSIFICAM A OBRA

GRUPOS PEQUENOS QUE PRODUZEM COMUNHÃO VERDADEIRA

FRUTO DA RELIGIOSIDADE DO HOMEM

INDICAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO PARA A IGREJA

 

                  As igrejas nas casas, por serem pequenas, favorecem o desenvolvimento de uma verdadeira comunhão entre os irmãos, um atendimento e cuidado específico com cada um e o desenvolvimento da vida e do serviço de cada discípulo.

 

*Até o final do século III não há registro do uso de templos. A partir daí, com Constantino, começou a utilização dos templos por influência das religiões pagãs (Hb. 3.6; 1 Tm. 3.15; At. 7.48; 17.24)

QUANDO VOS REUNIS…

1ª CORINTIOS 14.26-31 

  1. INTRODUÇÃO: Ao fazermos uma analise destes versículos podemos perceber uma clara orientação para os encontros dos irmãos.
    1. 1ª Cor 14.26:
  1. “O que fazer, pois, irmãos?” A pergunta está relacionada com o que o Apóstolo disse antes sobre os dons de línguas e profecia. Após explicar o que acontece quando só falamos em outras línguas e quando profetizamos, o apóstolo faz esta pergunta, como quem diz “e agora, o que temos que fazer? manifestar um só dom? apenas falar em outras línguas e todos ao mesmo tempo?”
  2.  “Quando vos reunis, cada um tem…”. Aqui o apóstolo está trazendo clareza sobre a diversidade dos dons. Contrastando com o que estava acontecendo de só manifestarem um dom e todos ao mesmo tempo. Isto não é uma lista acabada, mas sim uma indicação de coisas que podem acontecer.
    1. 1.   Salmo – são cânticos, orações, poesias, declarações de amor, de gratidão, de súplica, etc.
    2. 2.   Doutrina – são mandamentos claros para serem obedecidos.
    3. 3.   Revelação – é quando um versículo ou um texto se torna claro para mim.
    4. 4.   Outra Língua – é a manifestação do dom de Línguas.
    5. 5.   Interpretação – é dar sentido ao que falou em outra língua.
    1. 1ª COR 14.27-30
  1.     “…não sejam mais do que dois…”. Aqui o apóstolo está orientando a igreja como todos podem participar. A participação deve ser com diversidade nos dons e ordem. A participação não deve ser longa por parte de uma única pessoa e nem muitas pessoas manifestando durante muito tempo o mesmo dom. Isto nos ajudará a ficar atentos a tudo o que está ocorrendo, pois a nossa mente não consegue se prender por muito tempo à mesma coisa. Portanto, quando existe diversidade de manifestações e muitos participando o nosso aproveitamento é melhor.
  2. “Mas, não havendo intérprete, fique calado na igreja…”. Aqui aprendemos que no culto a Deus não pode haver ansiedade. Temos que estar dóceis e sensíveis ao Espírito para saber o momento de participar e o momento de calar. Se não for possível participar hoje, aguardarei o momento que me seja propício.
    1. 1ª COR 14.28
    1. 1ª COR 14.31
  1.    …para todos aprenderem e serem consolados”. Aqui está o objetivo da participação de todos e da diversidade dos dons, pois é praticando o que está nos versículos acima que poderemos colher o que está no versículo 31.
  2. CONCLUSÃO: Nesta porção da Escritura aprendemos muitas coisas, mas podemos ressaltar três: PARTICIPAÇÃO DE TODOS, DIVERSIDADE DOS DONS E SEM ANSIEDADE.